20/10/2011

Fernando de Noronha (parte 1)

"Noronha é um sonho.
A ilha do supremo, da beleza irracional, das águas insanamente claras.
O destino certo para quem deseja conhecer o perfeito" 


       É lugar-comum se falar que o Brasil possui uma costa com praias incríveis. Mas certamente as mais incríveis não estão em sua “costa continental”, mas sim no arquipélago de Fernando de Noronha, localizado há aproximadamente 350 km de Natal ou 540 km de Recife. Encontrar dicas de Noronha não é tão fácil como de outros destinos. Talvez porque seja o destino nacional mais restrito atualmente.

1) História e Geografia

    
        Fernando de Noronha, como dito, é um arquipélago formado pela ilha principal homônima (a única habitada), e pelas chamadas Ilhas Secundárias, num total de 21 ilhas e ilhotas. Possui uma área de aproximadamente 26 km2 (17 km2 na ilha principal), com mais de 13 praias, enseadas e piscinas naturais. Possui cerca de 2500 habitantes.



        A parte superior do mapa, composta pelas praias que vão desde o Porto Santo Antonio(à direita) até a Ponta da Sapata, é chamada de "Mar de Dentro". A inferior, desde a Enseada da Caieira até a Praia do Leao, é chamada de "Mar de Fora". 
       A ilha surgiu a partir de fortes erupções vulcânicas, há 12 milhões de anos. Está localizada sobre um vulcão com cratera de 74 km de diâmetro.
        Foi descoberta no ano de 1503,  por Américo Vespúcio e foi doada, por D. Manoel I, em forma de capitania hereditária, a Fernan de Loronha, um fidalgo português que financiou a expedição de 1503. Foi a primeira capitania hereditária do Brasil, porém nunca ocupada pelo seu donatário.                                     
     Ao longo da história, já foi ocupada e saqueada por portugueses, franceses, ingleses e holandeses. No século XVIII, a ilha se transforma em um Presídio Comum, para presos condenados a longas penas. 
       Mas foi graças aos presos que todas as edificações foram construídas no arquipélago. Por outro lado, a maior parte da vegetação original foi derrubada a fim de se evitar fugas, o que provocou forte alteração no clima da ilha. 
       Em 1942, Noronha passa a ser um Território Federal Militar, e permanece assim até 1988.
     Em 1988, ele é reintegrado ao Estado de Pernambuco, tornando-se um Distrito Estadual, comandado por um Administrador indicado pelo Governador do Estado de Pernambuco. Também é criado o Parque Nacional Marinho de Fernando de Noronha  .
       Em 2001, a ilha foi tombada pela UNESCO como "Sítio do Patrimônio Mundial Natural".
      
2) Curiosidades locais

a)     Noronha possui a segunda menor rodovia BR do Brasil (BR 363), com cerca de 7 quilômetros de extensão, ligando a Praia do Sueste ao Porto (traço verde no mapa). E já respondendo a sua pergunta –eis que também a fiz várias vezes, sem resposta - a menor BR do Brasil está em São Paulo, com cerca de 5,9 km, passando pelo centro de Aparecida, com ambas extremidades na Dutra.

b)     As mulheres grávidas não podem ter seus filhos na ilha. Por volta do sétimo mês elas devem sair do arquipélago. Contam os ilhéus (os nascidos na ilha) que, caso a gestante não deixe a ilha, agentes da Policia Federal as convidam a partir imediatamente. Tal imposição visa impedir direitos sobre a terra de novos ilhéus.

c)  A gasolina é a mais cara do Brasil, girando em torno dos R$ 3,90 o litro (set/2011)


d)  Quase nada é produzido na ilha, vindo tudo do continente.


e) Noronha está em um fuso com 1 hora a mais do que o Distrito Federal. No entanto, por não observar o horário de verão, se iguala aos demais estados nessa época.


3) Clima x condições do mar: melhor época  para ir

      Há duas estações bem definidas na ilha. A seca, que vai de setembro a fevereiro e a chuvosa que vai de março a agosto. 
      A ilha, como dito, é dividida em “mar de fora “ e “mar de dentro”, contando esse com as praias mais bonitas da ilha. Dessa forma, considere também o período do ano em que essas praias estão com o mar mais calmo, o que acontece de abril a outubro. De novembro a março essa parte da ilha apresenta o mar bem revolto, propício a prática do surf.
      Então, conjugando o fator “clima” com o fator “condições do mar” das praias mais bonitas - se o seu objetivo não for surfar - os melhores meses para conhecer Noronha são setembro e outubro, ocasião em que o clima estará seco e as praias mais bonitas da ilha estarão uma calmaria só e você poderá, com auxilio de uma máscara, snorkel e colete (caso não saiba nadar)  ver peixes de todos os tipos e cores a apenas 10 metros da areia.

 4) Como chegar

        Considerando sua condição insular, só se pode chegar a Noronha de navio ou de avião.
       Conhecer Noronha a bordo de um cruzeiro acho que é o mesmo que não conhecer. Os cruzeiros oferecem, no máximo, 2 dias na ilha, o que não dão para nada.
        Pelo ar se chega pela Gol ou pela Trip. A Gol pousa com seus boeings diretamente na pista do aeroporto de Noronha, que apesar de mais parecer uma rodoviária, possui a pista maior do que o do Santos Dumont-RJ. É uma alternativa para quem tem certo pavor de voar em aviões pequenos como os da Trip, que pousa com os jatinhos da Embraer ou com os turbohélices ATR.


                              Embraer - Trip
       A Trip mantém codeshare com a TAM e é possível bilhetar para Noronha (ida e volta), incluídos os trechos realizados com a TRIP, com resgate de apenas 20 mil pontos. Caso feche com a TAM, você pode optar em partir de Recife ou Natal, (1 hora de vôo) com possibilidade de uma “stopover” numa dessa cidades, na ida ou na volta (permanência em Natal ou Recife, por alguns dias, antes de partir para o destino final, sem cobrança extra). Note que as atendentes da TAM muitas vezes não sabem dessa possibilidade, cabendo a você insistir, ainda que elas digam que serão cobrados pontos extras. Peça a simulação. O resgate de pontos pela TAM só é possível através da Central Telefônica, tendo em vista o “codeshare”.
                              Partida de Recife

    Muitos perguntam qual o melhor lado do avião para poder apreciar a vista de Noronha pelo alto, na chegada. Não se preocupe com isso porque a maioria dos pilotos não está nem aí pra você e aterrisam de primeira, sem dar nenhuma voltinha na ilha.


5) O que levar

a) protetor solar - O sol na ilha é literalmente de rachar qualquer pele, ainda mais quando associado ao mar salgado. Não esqueça de repor sempre que puder, uma vez que permacerá muito tempo na água.
b) repelente - ao entardecer a mosquitada ataca.
c) tênis para algumas caminhadas. Chinelos.     
d) bermudas para homens e roupa leves para as mulheres. Nem pense em calça jeans ou sapato mais social.Muita roupa de banho.
e) um casaco porque à noite pode bater uma brisa
f) Câmera digital e aquática. Para essa há duas opções se você não a possuir: ou compra a descartável da Kodak ou a aluga na ilha (diária de R$ 50,00 com CD, na praia do Sueste).
g) dinheiro ou cartão do banco. Apesar de só haver um agência do Santander, o caixa automático está integrado no Banco 24 horas.Os passeios não costumam aceitar cartão.
h) transformador se quiser levar algum aparelho elétrico, porque a voltagem na ilha é de 220V.
i) algum remédio especial porque lá você certamente não encontrará.


6) Taxa de Preservação Ambiental e a chegada

       Para permanecer na ilha, você desembolsará para o Governo de Pernambuco o valor de, aproximadamente, R$ 40,40 por dia (ano de 2011), a título de taxa de preservação ambiental.Esse valor pode ser pago através dos site http://www.noronha.pe.gov.br/. Você preencherá um formulário-cadastro completo com seus dados pessoais e da viagem (nome da pousada, tempo de permanência etc.) Será gerada a taxa, em um boleto, bem como a guia de identificação e a guia de controle migratório, que também deverão ser apresentados no aeroporto e na pousada. Um canhoto do controle migratório deverá ser devolvido na sua saída da ilha. Atenção: Imprima todos eles de uma só vez!! Caso contrário deverá reiniciar todo o processo de cadastro.
       O cálculo dos dias para pagamento da taxa é feito pelo sistema, que exclui o dia da chegada.
       Pague o boleto pelo menos 3 dias antes da chegada à ilha, a fim de se permitir a baixa do documento no sistema bancário antes da sua chegada. Ao desembarcar, entre na fila “TPA’s pagas pela internet”.
       Se preferir, a taxa também pode ser paga no momento de chegada, no próprio aeroporto. A vantagem é que se poderá paga-lá com cartão de crédito. A enorme desvantagem é que a fila para quem não a pagou previamente é beeeeem maior.
      Algumas pousadas oferecem serviço de traslado; portanto não esqueça de consulta-las antes da chegada. Caso não seja oferecido esse serviço, o táxi para a pousada dependera da localização dessa. Mas nada que ultrapasse R$ 20,00.
       A ilha possui internet e algumas operadoras de celular mantêm antenas. Nextel não possui abrangência.
       

Nenhum comentário:

Postar um comentário