28/12/2011

Champagnes x espumantes x proseccos x cavas x frisantes

 



      Nem tudo o que parece é. Em regra, a confusão entre tais termos ocorre quando estamos diante de um vinho visivelmente gaseificado (presença de CO2). Primeiro, registremos a célebre frase: Todo champagne é espumante, mas nem todo espumante é champagne. Acrescento, ainda, outra: Nem tudo que não é champagne é prosecco.
    É chamado de espumante (ou sparkling wine) todo vinho que sofre duas fermentações naturais. A primeira é a fermentação alcoólica, comum de todos os vinhos, que transforma o açúcar da uva em álcool e que ocorre em tanques ou barris de carvalho. A segunda, onde o espumante adquire a efervescência, tanto pode ocorrer em tanques de aço inox pressurizados (método charmat) como podem ser feitas na própria garrafa (método champenoise ou tradicional/clássico)

             1)  Champagne 
              É o espumante que está no topo dessa pirâmide. Como todos - ou quase todos - sabem, só podem carregar o nome de champagne aqueles espumantes produzidos na região de Champagne, na França, seguindo regras rígidas de produção. São mais intensos, de paladar mais marcante. O champagne é composto não só por uvas brancas, mas também por uvas tintas. Mas as únicas tintas permitidas são as  pinot noir e pinot maunier. Das brancas, somente a chardonnay.  
                Outra marca importante do champagne é a diferenciação da segunda fermentação que esse vinho sofre. Como dito, todo vinho espumante sofre duas fermentações naturais.Nos champagnes, a segunda fermentação ocorre obrigatoriamente na própria garrafa (metodo champenoise/tradicional), o que garantirá uma maior complexidade do vinho, pelo maior tempo de contato com o mosto. Para se obter uma segunda fermentação, é adicionada uma mistura do vinho-base com leveduras e açúcar que é conhecido como licor de tiragem. Após essa fase de fermentação e envelhecimento nas próprias garrafas, essas são postas de cabeça para baixo para que se possa decantar os sedimentos. Esse processo pode durar, em média, 20 dias, e as garrafas são giradas em aproximadamente ¼ de volta,  uma a uma, todos os dias (remuage), para que as impurezas não fiquem aderidas na parede interna da garrafa, mas sim escorram para o gargalo, onde serao removidas por outro processo posterior de congelamento do "pescoço" da garrafa (dégorgement), expulsando, finalmente, o "cilindro de sedimentos" acumulado.


             Mas atenção porque todos os champagnes são fabricados pelo metodo champenoise, mas nem todo espumante é feito pelo método charmat, podendo também serem elaborados pelo metodo champenoise, ainda que minoritariamente. Ainda assim, espumante fabricado pelo metodo champenoise nunca será chamado de champagne,  pelas razões ja expostas quanto à região, qualidade das uvas, regras próprias etc.          
              Não sendo champagne, o vinho é classificado como mero espumante . Dependendo do país que o produz ou da cepa (variedade da uva) utilizada, o vinho espumante recebe um nome distinto.
       Obs: Recentemente, a Uniao Europeia passou a controlar também a nomenclatura "metodo champenoise", declarando que somente se o vinho for produzido na região de Champagne, o método pode levar esse nome. Fora da região, ainda que se utilizando do método, só se poderá falar em "método tradicional". Caso não seja observada tal norma, o vinho é impedido de ser comercializado no bloco econômico europeu.        
           
 
              2) Cava

               É o nome do espumante da Espanha, produzido basicamente - mas não exclusivamente - na região de Penedés, na Catalunha. É elaborado pelo método clássico/tradicional ou champenoise, com a segunda fermentação na garrafa. As uvas não são as utlizadas para a fabricação do champagne, mas sim as próprias daquele país: macabeo, viura , parellada e xarel-lo. A Espanha é atualmente a maior produtora de espumantes do mundo, com destaque  para as vinicolas tradicionais Freixenet, Codorniu e para a premiada Gramona. Diferencia-se do champagne não só pelas uvas utilizadas como pelo tempo de envelhecimento, e pela ausência de açúcares ao mosto antes da segunda fermentação, expressamente proibido pela legislação da Espanha. As uvas espanholas são mais doces que as francesas, devido a uma maior exposição solar, sendo desnecessário, portanto, tal procedimento.Os cavas populares de destaque são o Cordon Negro (brut) e o Carta Nevada (demi-sec), ambos da Freixenet e o Anna de Cordoniu (brut)da Codorniu.


             3) Prosecco 
     
            Prosecco , até então, era somente o tipo de uva (cepa) nativa da Italia, mais precisamente nas regiões de Valdobbiadene e Canegliano, no Vêneto. Então, não se poderia dizer que os proseccos fossem vinhos exclusivos da Itália, pois ao contrário dos champagnes, era permitido chamarmos de prosecco um vinho feito fora daquele país, desde que elaborado a partir da uva prosecco. .No entanto, há cerca de 2 anos, a Italia, assim como fez a França, no passado, com seu champagne, editou lei alterando o nome da cepa Prosecco, chamando-a agora de "glera". O termo Prosecco fica reservado para a região italiana produtora do vinho, que além do Veneto agora também estão incluidas as áreas do Friuli. Dessa forma, proibe-se a utilização do termo prosecco para vinhos que não forem produzidos nessas regiões  No entanto, parece que a lei por aqui ai não pegou, sendo fácil encontrar "proseccos" nacionais vendidos nos grandes mercados e lojas especializadas.
        Diferentemente dos champagnes e dos cavas, os proseccos são elaborados pelo método charmat, onde a segunda fermentação ocorre em grandes tanques de aço inox e não na própria garrafa..
           
                  

           4) Espumantes

           Espumante é o nome genérico dado a todos os vinhos com duas fermentações. Como já dito, no caso dos champagnes a segunda é feita obrigatoriamente na própria garrafa, enquanto nos espumantes ela pode ocorrer tanto na garrafa (minoria) quanto nos tanques de inox (na maioria deles).
No Brasil, a região sul lidera a produção de tal vinho, utilizando-se de uvas chardonnay (branca) e pinot noir (tinta). É comum, também a utlização da cepa riesling, que se adaptou muito bem às condições da região.


        5) BRUT ou SEC

      O champagne ou os espumantes também são classificados segundo o grau de doçura, ou seja, da quantidade de açucar por litro inserida após a segunda fermentação, no "licor de expedição" (liquido introduzido para compensar a saida da borra congelada que se forma no metodo tradicional).Serve para recompor também o teor de açúcar ou para fabricar um espumante mais doce.  Pode ir do DOUX ao EXTRA-BRUT, ou seja, do mais doce ao mais seco.Mas como as diferenças são as vezes muito sutis, os mais comercializados sao o BRUT e o SEC.

               a) EXTRA BRUT  e BRUT- é o vinho mais seco e com menos teor de acúcar. (cerca de 80% dos espumantes vendidos)
                 b) DEMI-SEC, SEC e  e EXTRA-SEC - ao contrário do que se imagina, não são secos, mas sim levemente adocicados.
                c) DOUX- apresenta alto teor de açúcar
       
          
                  5) Vinhos frisantes

                   Note-se que alguns vinhos sequer podem ser chamados de espumantes, mas tão- somente de  vinhos frisantes, que são aqueles vinhos menos complexos, com cerca da metade de gás carbônico dos espumantes, e geralmente introduzido artificialmente.Ex: Lambrusco.


Melhores champagnes


Cristal
Dom Perignon
 


Os bons champagnes não estão ao alcance de todos, isso é um fato. Garrafas de "CELEBRIS 90", da Maison Gosset, "KRUG GRAND RÉSERVE", da Maison Krug, "DOM PÉRIGNON", da Maison Moet et Chandon, "COMTES DE CHAMPAGNE", da Maison Taittinger, "LA GRAND DAME", da Maison Veuve Clicquot ou "CRISTAL", da Maison Louis Roederer passam dos R$ 500,00, se comprados por aqui.
     


 Abaixo desses, os da Veuve Clicquot, o Moet Chandon Brut Imperial, o Taittinger Brut Reserve, o Piper Heidsieck Brut, e o Canard-Duchêne Brut, ainda que na casa dos três digitos (se comprados aqui) entregam um bom custo beneficio.
























       A sommelier Elaine de Oliveira, ex-Giuseppe e atual consultora da importadora Zahil, indica alguns champagnes (com preços médios) que considera excelentes, com um ótimo custo-beneficio. Afirma que deixou de fora os famosos Moet Chandon e Veuve Clicquot para que as pessoas possam conhecer champagnes diferentes de igual ou maior qualidade.


1) Drappier Carte d’Or – R$ 205,00

2) Taittinger Brut Reserve - R$ 198,00 e Taittinger Rosé Cuvée Prestige - R$ 266,00

3) Gosset Brut Excellence – R$ 196,00

4) Lanson Rosé Label Brut – R$ 185,00 e Lanson Black Label Brut - R$ 139,00 


Melhores espumantes nacionais 2011

Dois rankings importantes foram divulgados recentemente. Um da revista Playboy, feito por especialistas a pedido da revista. Outro por um grupo de críticos e sommeliers de peso, incluido ai Manoel Bento e Gianni Tartari.
Para o juri da Playboy, o Miolo Terranova Moscatel é uma boa pedida para os que curtem um espumante mais doce, pela pechincha de menos de R$ 30,00. Dos bruts, os especialistas elegeram o Casa Valduga 130 Brut como o melhor (cerca de R$ 60,00).


 O Dom Candido Brut e Casa Perini Brut, segundo ainda a revista, apresentam ótimo custo-beneficio, na faixa dos R$ 30,00.
O Ponto Nero Brut, na faixa dos R$ 30,00,  e o Vallontano Brut, (cerca de R$ 44,00) figurou em ambos rankings, com destaque para esse último.








Para o juri composto por Manoel Bento e outros, além do Vallontano, o Casa Valduga Premium Brut e o Angheben Espumante Brut,  todos na faixa de R$ 43,00, são os melhores espumantes do ano e devem  ser considerados.


















Dos da Salton, o Reserva Ouro Brut (R$ 35,00) alcançou a maior nota.
Adolfo Lona Rosé

A sommelier Elaine de Oliveira também entrega dois espumantes nacionais que devem ser considerados:



1) Adolfo Lona Rosé – R$ 39,00

2) Cave Geisse Nature – R$ 56,00



Também indica dois cavas espanhois, atualmente vendidos por aqui, que considera muito bons:

1) Cava Castillo Perelada Brut Reserva D.O. – R$ 98,00

2) Cava L’Hereu de Raventós i Blanc Brut – R$ 88,00

Cava Castillo Perelada Brut Reserva D.O



















*Agradecimentos à sommelier Elaine de Oliveira, da importadora Zahil, pela colaboração exclusiva para o blog.

    

20/12/2011

Fernando de Noronha - O que fazer (parte 3)

9) O que fazer à noite

  Para início de conversa, vou logo avisando que Noronha é 90% dia. Os 10% noturno se resume às palestras do projeto TAMAR e/ou um jantar em um dos restaurantes da ilha. E mais nada, nada ....Daí você pergunta: e o tal "Bar do Cachorro"? Verdade, ele existe. Nas noites de segundas-feiras há até uma apresentação de Maracatu, folclore típico de Pernambuco. Nas outras, você pode tomar uma cervejinha ou comer uma pizza. Tudo começando depois da palestra do TAMAR. Mas não é nada que valha a pena perder sua noite de sono. Lembre-se que as atividades na ilha começam cedo e você precisará estar disposto e sem ressaca no dia seguinte.


                                                              (noite de segunda-feira- Maracatu)     
                                                              
               Acontece que, se optar pela palestra do Tamar, você deve ficar atento, porque se deixar para jantar após a palestra (por volta das 22: 30) provavelmente encontrará os bons restaurantes quase fechando. Portanto, se você quiser ir à palestra (que se incia às 21h) e jantar no mesmo dia, ou você janta antes, ou terá que se socorrer de uma das lanchonetes da Praça Flamboyant depois. Por ali, também, se der sorte, o próprio restaurante Flamboyant costuma fechar mais tarde.
                 Ficou decepcionado? Não fique. O dia na ilha é tão intenso que você não sentirá a menor falta de uma vida noturna agitada. Vai querer mais é uma boa cama para descansar !!
               A palestra do projeto TAMAR ocorre na Sede do IBAMA (atual ICMBio), no Boldró, às 21h, todos os dias.Em geral, esse é o calendario, sofrendo mudanças às vezes:


            As imperdíveis são as do Golfinhos Rotadores, das Tartarugas Marinhas e dos Tubarões.

            10) O que fazer de dia

  Então passemos a tratar do que mais nos interessa na ilha: o dia. Outro questionamento bastante comum dos pretendentes a conhecer a ilha é a necessidade de se ter "habilidade" no mar. Alguns acreditam que Noronha só valha a pena para aqueles que tenham uma grande intimidade com máscara, snorkel, pé de pato e consiga dar boas braçadas na água. Afirmo que não! Principalmente se você visitar a ilha nos períodos indicados (nos meses de setembro e outubro), em que o chamado Mar de Dentro estará uma calmaria só. Você conseguirá ver peixes ou arraias na beirinha, sem sequer tirar o pé do chão. Com um mínimo esforço, e com um treininho rápido, você aprenderá a usar a máscara e snorkel. E, se preferir, você conseguirá alugar colete salva-vidas para flutuação. Na Praia do Sueste, inclusive, ele e obrigatório para todos. Se estiver acompanhado de alguém que tenha alguma habilidade com o mar então.... você verá quase tudo! Mas se esforce um pouco para fazer essa interação com o mar. A beleza de Noronha está também debaixo d'água.




            No entanto, mesmo que você resista de todas as formas a uma entradinha no mar, mas curta belas praias, pôr-do-sol de tirar o fôlego, natureza e belas paisagens, Noronha já vai valer muito a pena. Agora...se houver essa interação com o mar, Noronha se tornará inesquecível!
     
           A) Roteiro


          1) Poucos dias na ilha  >>>>> a lógica é a seguinte: se for ficar poucos dias na ilha (até 3 dias) - o que não recomendo- opte somente pelas praias do Mar de Dentro, que são imperdíveis. A do Sancho é considerada a mais bonita do Brasil, a Baía dos Porcos a segunda mais bonita, além da Praia da Conceição e a Praia da Cacimba do Padre.
              Além disso, se estiver hospedado na região da Vila do Remedios, parte da Floresta Nova  e parte da Floresta Velha (ver segundo post), você conseguirá conhecer as praias próximas ao centrinho da Vila, a pé, como a do Cachorro, Meio e Conceição. Faça também um tour pelo centrinho histórico, na Vila dos Remédios, que se resume ao Palácio São Miguel, atual prédio da administração local, ao prédio do Banco Santander, onde abrigou a primeira escola da ilha, às antigas ruínas do presídio, à Igreja Nsra dos Remédios  (em péssimo estado de conservação)e ao Forte Nsra dos Remédios. Esse tour ao centrinho valerá a pena logo no primeiro dia, uma vez que você chegará tarde à ilha.  A dica é conhecer sempre os fortes no fim da tarde porque aí, além do tour ao monumento, você será brindado com um por-do-sol daqueles...
Palácio São Miguel


antiga escola

Igreja Nsra dos Remédios

Forte Nsra dos Remédios

por do sol visto do 
                                                            Forte Nsra dos Remédios 


             Existe um passeio na ilha denominado "Ilha Tur", feito em veículo 4x4 (geralmente em uma camionete adaptada) que dura praticamente o dia inteiro,a um custo de R$ 90,00 (set/11).O passeio é cansativo, e por vezes você irá parar em lugares não tão interessantes ou ficará menos tempo em lugares muito interessantes. A favor você tem a possibilidade de ter um noção geral da divisão da ilha e da localização das principais praias e pontos turísticos. E também "matará" locais não muito interessantes mas que fazem parte da cultura local.
           Geralmente o passeio abrange as praias do Mar de Dentro - exceto algumas pequenas praias e as do Cachorro, Meio e Conceição, as quais você pode fazer a pé se estiver naquela localização mencionada no segundo post - além de abranger também algumas do Mar de Fora, como Caieira, Leão, Sueste. Mergulhos são feitos no Sancho, Porcos e Sueste. Pequenas trilhas são necessárias no Sancho e Porcos. Incluidas visitas ao museu do Tubarão e buraco da Raquel. O término se dá no fortinho do Boldró, com um por-do-sol inesquecível (se o tempo ajudar). O equipamento de mergulho é alugado logo numa das primeiras paradas no Boldró, a R$ 15,00 ( mascara, snorkel e pé de pato)
            Optando pelo IlhaTur, nos outros dias você poderá repetir as praias que mais gostou ou aquelas em que você não parou. Nesses dias vale a pena alugar um buggy. As diárias não são tão baratas assim, começando na faixa de R$ 140,00. Mas ir à Noronha e ficar no ponto de ônibus esperando por até meia hora não dá, né? Feche pelo menos duas diárias. Nos outros dias você não precisará de carro, porque vai tá fazendo o IlhaTur, ou um passeio de barco, ou um mergulho ou a pé em passeios no centrinho e praias próximas ( Conceição, Meio e Cachorro) Em todos os passeios, o transporte é oferecido desde a sua pousada. Na pior das hipóteses e, principalmente à noite, para a palestra do TAMAR ou restaurantes, opte pelos táxis, onde as corridas alcançarão no máximo R$ 20,00. De dia, em trechos para algumas praias, somente os buggys conseguem passar.


          2) Estadia prolongada >>>>>>  Dispondo de mais dias na ilha, faça também um passeio de barco(com plana-sub incluído), um tour pelas praias do Mar de Fora (incluindo aí a trilha do Atalaia), e outros pontos da ilha como o porto, a Ponta da Air France, a igrejinha, Museu do Tubarão e buraco da Raquel (esses ultimos se não tiver feito o Ilhatur). Arrisque também o mergulho com cilindro, embora o preço seja bem salgado, cerca de R$ 200,00 por  20 min)
             Não esqueca sempre de programar seu almoço, seu jantar e escolher sempre um local para assistir o por-do-sol (nos fortes ou nas Praias do Mar de Dentro)
       
             >>>> No próximo post vamos detalhar cada ponto turístico desses roteiros.                


             


06/12/2011

Restaurante Gero - Barra da Tijuca.RJ

     
        Após algumas temporadas de sucesso em Ipanema, o Gero, restaurante de cozinha italiana do Grupo Fasano, abre filial na Barra da Tijuca, no mais novo reduto de bons restaurantes do bairro, a Avenida Érico Verissimo.
       O momento não poderia ser melhor: a inauguração veio junto com o prêmio de melhor italiano da cidade (2011), concedido pela Veja Rio, para a filial de Ipanema. 
     O restaurante conta com servico de valet a R$ 10,00 mas, ao contrário da filial da zona sul, nao é dificil conseguir uma vaga  nas proximidades.
    Com decoração cool de Isay Weinfeld, o restaurante conta com espaço bem maior do que a filial de Ipanema, com terreno de 1400 metros quadrados. Logo na entrada, você consegue visualizar, através de um enorme vidro, parte da cozinha, onde são feitas as massas, artesanalmente.

       Em seguida, aparece um pequeno lobby, com sofás, mesas e cadeiras, em caso da espera por uma mesa ser necessária.

     
        Mas se preferir, o restaurante também conta com um bar, onde você também poderá aguardar pela mesa, tomando um bom champagne ou espumante, acompanhados de porções das famosas abobrinhas à milanesa em rodelas (um tanto gordurosas e frias nesse dia...)
      Além do salão principal, o diferencial da filial está na charmosa varanda - com bancos em madeiras e futons - debruçada sobre um jardim com iluminação correta.
        O serviço é aquele que se espera de um restaurante do nível: muito atencioso. O couvert é o mesmo da filial Ipanema: ótimos pãezinhos quentes, acompanhados de porções de manteiga, azeite e algumas pastas, a um custo de R$ 16,00 por pessoa. (dez/2011)

       
       Chegando a hora do prato principal, a dúvida que me paira é sempre a mesma: massa ou risoto (acompanhado ou não de uma carne). Particularmente, acho os risotos um pouco mais interessantes por lá. Feitas no próprio restaurante, as massas são boas mas, salvo algumas exceções, não me surpreendem.
        O risoto del contadino, feito com feijao, linguica toscana e vinho tinto,apesar de não agradar no visual, impressiona no sabor, com gosto bem marcante (R$ 66,00 -dez/011).


        O risoto de açafrão com ossobuco de vitela já e um clássico do restaurante (R$ 81,00-dez/011).
      A carne de vitela do Gero, aliás, é imperdível. Além do ossobuco, ela aparece na costela empanada, também acompanhada de risoto de açafrão (costela de vitela empanada em lascas de pão, a R$ 71,00-dez/011) . 

      
       Já nas massas, a vitela aparece no recheio do ravioli ao molho de funghi ( R$ 54,00-dez/011).         
  
      
      Ainda nas massas, mas agora com molho lulas e vieiras (alla mediterranea) o gnocchi de batata dourada em panela, a R$ 61,00,  agrada mas não encanta.
               
       A carta de vinhos é vasta com preços iniciando-se na faixa dos R$ 100,00.
      Finalizando os trabalhos, a fatia da torta de limao siciliano, infelizmente, tinha uma base tão dura (talvez congelada) que nem com o auxílio de uma faca o trabalho se tornou mais fácil.


Gero 
Barra - Rua Érico Verissimo, 190, Barra (quase em frente ao supermercado Zona Sul e ao lado do Braz)☎ 2484-9455 (140 lugares). 12h/16h e 19h/1h; sáb. sem intervalo até 1h; dom. sem intervalo até 0h). Cc: todos. Cd: todos. Estac. c/manobr. (R$ 10,00). Couvert: R$ 16,00 (individual)
Ipanema - Rua Aníbal Mendonça, 157 - Ipanema  Rio de Janeiro - RJ, 21 2239-8158

23/11/2011

Os melhores de 2011 da Veja Rio

     
         Os restaurantes, chef revelação, chef do ano e restaurateur eleitos pela Veja Rio, como os melhores do ano de 2011,  segundo o júri formado por Alice Granato, David Zylbersztajn, Fabio Codeço, Gilberto Ururahy, Hugo Barreto, Leo Jaime, Luciana Plass, Rodolfo Garcia, Sandra Moreyra e Tulio Luz são esses:

1) Asiático - Sawasdee Bistrô ( Leblon e Fashion Mall)
2) Brasileiro - Quinta (Vargem Grande)
3) Carne - CT Boucherie (Leblon)
4) Cozinha Contemporânea - Oro (Jardim Botânico)
5) Cozinha Rápida - Market Ipanema (Ipanema)
6) Francês - Le Pré Catelan  (Hotel Sofitel - Copacabana)
7) Italiano - Gero ( Ipanema e Barra)
8) Japonês - Ten Kai (Ipanema)
9) Peixes e Frutos do Mar - Satyricon (Ipanema)
10) Pizzas - Capricciosa (Jardim Botânico, Ipanema, Barra, Buzios)
11) Português - Antiquarius (Leblon)
12) Tradicional - Nova Capela (Av. Mem Sá, 96 Lapa, tel:2252-6228) 
13) Bom e Barato - Barsa  (Rua Capitão Félix, 110 - CADEG- São Cristóvão; tel 2585-3743 )
14) Sobremesa - Eça (Centro)
15) Chef Revelação - Pablo Vidal (Zazá Bistrô Tropical)
16) Chef do ano - Felipe Bronze
17) Restaurateur - Claude Troigros (CT Boucherie e CT Brasserie, Olympe e 66 Bistro)

Os destaques ficam por conta do melhor português (Antiquarius), que recebeu 9 dos 10 votos e da melhor pizza (Capricciosa), que levou 6 dos 10 votos.

15/11/2011

Fernando de Noronha - parte 2 (Pousadas e Restaurantes)

7) Onde ficar

      Apesar de ser uma ilha pequena, você não conseguirá fazer tudo a pé em Noronha. Portanto, é preciso ficar atento à localização da sua pousada, principalmente se você não pretende alugar buggy todos os dias. Isso porque, ficando na Vila dos Remédios, na Floresta Nova (parte) ou na Floresta Velha (parte), você só precisará de transporte para fazer os passeios e ir aquelas praias que, independentemente da localização da pousada, você precisaria. Para ir até o mercadinho e a todo comércio da Vila, almoçar no buffet a quilo do Restaurante Flamboyant (praça dos Flamboyants), comer algo à noite ou ir a algumas praias como a do Cachorro, do Meio e da Conceição, com uma caminhada de alguns minutos, você conseguirá.
      Quando se fala em Noronha, o primeiro comentário que ouvimos é que é uma viagem cara! Mas  se voce conseguir bilhetar a passagem com milhas e considerando padrões atuais de preços de cidades do nivel de Rio e São Paulo, Noronha nao e tao caro assim, EXCETO pelos preços cobrados pelas pousadas locais. Acho que a hospedagem é o que encarece a viagem. Os preços de pratos em restaurantes legais de lá não são nada superiores a de restaurantes cariocas e paulistanos de mesmo nivel. A água, cerveja e outros produtos são, de fato, mais caros do que no resto no Brasil, mas em cinco dias isso não vai pesar tanto assim no seu bolso, a não ser que pretenda ficar embriagado todos os dias.
      O preço da hospedagem chega a ser exorbitante, podendo a diária no bangalô da Pousada Maravilha chegar a R$ 2100,00. A do Zé Maria iniciam-se na faixa dos R$ 700,00, mas também tem preços beirando os R$ 2000,00.A Solar dos Ventos, toda ocupada por bangalôs mais rusticos, tem preços iniciais mais razoáveis e passa por um reforma para incluir bangalôs luxuosos no seu terreno. A previsão de inauguração dos bangalôs luxuosos é no fim de 2011, mas ainda sem preços definidos.
     A Maravilha fica quase no final da BR, com lindo visual para a Baia do Sueste. Portanto, bem longe das Florestas e da Vila do Remedios. Se não tiver cacife para bancar uma estadia por lá mas quiser conhece-la, leia abaixo a dica do restaurante que fica na pousada. A Solar dos Ventos é sua vizinha , portanto, com essa mesma inconveniência em relação às distancias. Já a do Zé Maria fica na Floresta Velha, a uma distância caminhável do centrinho e das localidades citadas lá em cima.Veja abaixo a dica do festival gastronômico que ocorre na pousada.


Pousada Maravilha


Novos Bangalôs da Solar dos Ventos

     Numa faixa mais intermediária de preços - mas ainda assim caros para os padrões hoteleiros- aparece na Floresta Nova a "Pousada Blue" e a "Pedras Secas" (fiquei e recomendo). Na Floresta Velha aparece a Pousada da Filo, o Beco de Noronha, o Solar de Loronha e a Pousada da Morena (ao lado da Zé Maria). A Colina dos Ventos, localizada na Vila do Trinta, tem linda vista mas é preciso estar motorizado.
Pousada Pedras Secas     

      Das econômicas, a mais famosa, na Vila dos Remedios, é a Simpatia da Ilha.
     No site oficial de Noronha voce poderá conferir quase todas as pousadas: www.noronha.pe.gov.br

8) Restaurantes

    Não se preocupe porque Noronha já tem um número de restaurantes bons que você nem vai conseguir conhecer todos em sua estadia na Ilha.

1) Restaurante da Pousada Maravilha - Almoce no restaurante da Pousada Maravilha. Se vier direto da praia, com jeitinho, você consegue ate tomar uma ducha antes de almoçar por la. O visual é perfeito. A comida e as caipirinhas são ótimas, com destaque para a de manga com xarope de alecrim e manjericão.Como entrada experimente os bolinhos de carne seca com macaxeira. De prato principal, as dicas são o file de peixe grelhado (cioba ou barracuda) sobre cama de quiabo, acompanhado de um arrumadinho de feijao verde com coco e cuscuz. Ou então o medalhão de atum grelhado, com panache de legumes, com vinho tinto reduzido.

2) Restaurante do Zé Maria e Festival Gastronômico - O famoso festival gastronômico acontece às 4as e sábados. É preciso reservar previamente sob pena de não se conseguir vaga. Saiba que é muito dificil eles te responderem por e-mail. Insista por telefone principalmente na semana anterior. A comida e muito farta: várias paellas, sashimis, tortas, peixes na folha de bananeira, camarão com catupiry e a melhor farofa que ja comi (de pão dormido com alho). O valor do festival, incluindo sobremesas e excluindo as bebidas, é em torno dos R$ 120,00 (set/011). No entanto, a comida,  apesar de farta, não é nada extraordinária. Dizem que ela é melhor nos outros dias.Mas o evento em si é imperdível!



videos do festivalhttp://youtu.be/qUu3vmqvHXo
                             http://youtu.be/HFgYQjcaHUE


3) Mergulhão- fica bem na entrada do Porto e tem comida ótima.
4)Tricolor - bom para moquecas
5)Varanda - fica Vila do Trinta
6)Flamboyant - praça dos Flamboyants -bufet a quilo ótimo para o almoço do dia-a dia (em torno de R$32,90-set/011)
7)Cacimba Bistro - Vila dos Remedios
8)Barraca das Gêmeas - praia da Cacimba do Padre - Apesar de famosa, é apenas uma barraca na praia muito simples em que é servido um peixe na folha de bananeira, com acompanhamentos, a R$ 50,00, para duas pessoas. Se pretender comer por la, marque com as gemeas o horario em que voltara para a refeição, porque geralmente demora muito para se assar o peixe. Ah.... e já tenha em mente que milhares de moscas ficaram rodando sua mesa. Para isso as barraqueiras oferecem aquela  fumacinha que diminui um pouco a presença das nojentas voadoras.

 9) Restaurante da Beijupira
10) Restaurante da Teju-Acu
11) Xica da Silva - na Floresta Nova
12) Palhoça da Colina - restaurante para um jantar romântico a luz de velas.Proxima a pousada Colina dos Ventos.




20/10/2011

Fernando de Noronha (parte 1)

"Noronha é um sonho.
A ilha do supremo, da beleza irracional, das águas insanamente claras.
O destino certo para quem deseja conhecer o perfeito" 


       É lugar-comum se falar que o Brasil possui uma costa com praias incríveis. Mas certamente as mais incríveis não estão em sua “costa continental”, mas sim no arquipélago de Fernando de Noronha, localizado há aproximadamente 350 km de Natal ou 540 km de Recife. Encontrar dicas de Noronha não é tão fácil como de outros destinos. Talvez porque seja o destino nacional mais restrito atualmente.

1) História e Geografia

    
        Fernando de Noronha, como dito, é um arquipélago formado pela ilha principal homônima (a única habitada), e pelas chamadas Ilhas Secundárias, num total de 21 ilhas e ilhotas. Possui uma área de aproximadamente 26 km2 (17 km2 na ilha principal), com mais de 13 praias, enseadas e piscinas naturais. Possui cerca de 2500 habitantes.



        A parte superior do mapa, composta pelas praias que vão desde o Porto Santo Antonio(à direita) até a Ponta da Sapata, é chamada de "Mar de Dentro". A inferior, desde a Enseada da Caieira até a Praia do Leao, é chamada de "Mar de Fora". 
       A ilha surgiu a partir de fortes erupções vulcânicas, há 12 milhões de anos. Está localizada sobre um vulcão com cratera de 74 km de diâmetro.
        Foi descoberta no ano de 1503,  por Américo Vespúcio e foi doada, por D. Manoel I, em forma de capitania hereditária, a Fernan de Loronha, um fidalgo português que financiou a expedição de 1503. Foi a primeira capitania hereditária do Brasil, porém nunca ocupada pelo seu donatário.                                     
     Ao longo da história, já foi ocupada e saqueada por portugueses, franceses, ingleses e holandeses. No século XVIII, a ilha se transforma em um Presídio Comum, para presos condenados a longas penas. 
       Mas foi graças aos presos que todas as edificações foram construídas no arquipélago. Por outro lado, a maior parte da vegetação original foi derrubada a fim de se evitar fugas, o que provocou forte alteração no clima da ilha. 
       Em 1942, Noronha passa a ser um Território Federal Militar, e permanece assim até 1988.
     Em 1988, ele é reintegrado ao Estado de Pernambuco, tornando-se um Distrito Estadual, comandado por um Administrador indicado pelo Governador do Estado de Pernambuco. Também é criado o Parque Nacional Marinho de Fernando de Noronha  .
       Em 2001, a ilha foi tombada pela UNESCO como "Sítio do Patrimônio Mundial Natural".
      
2) Curiosidades locais

a)     Noronha possui a segunda menor rodovia BR do Brasil (BR 363), com cerca de 7 quilômetros de extensão, ligando a Praia do Sueste ao Porto (traço verde no mapa). E já respondendo a sua pergunta –eis que também a fiz várias vezes, sem resposta - a menor BR do Brasil está em São Paulo, com cerca de 5,9 km, passando pelo centro de Aparecida, com ambas extremidades na Dutra.

b)     As mulheres grávidas não podem ter seus filhos na ilha. Por volta do sétimo mês elas devem sair do arquipélago. Contam os ilhéus (os nascidos na ilha) que, caso a gestante não deixe a ilha, agentes da Policia Federal as convidam a partir imediatamente. Tal imposição visa impedir direitos sobre a terra de novos ilhéus.

c)  A gasolina é a mais cara do Brasil, girando em torno dos R$ 3,90 o litro (set/2011)


d)  Quase nada é produzido na ilha, vindo tudo do continente.


e) Noronha está em um fuso com 1 hora a mais do que o Distrito Federal. No entanto, por não observar o horário de verão, se iguala aos demais estados nessa época.


3) Clima x condições do mar: melhor época  para ir

      Há duas estações bem definidas na ilha. A seca, que vai de setembro a fevereiro e a chuvosa que vai de março a agosto. 
      A ilha, como dito, é dividida em “mar de fora “ e “mar de dentro”, contando esse com as praias mais bonitas da ilha. Dessa forma, considere também o período do ano em que essas praias estão com o mar mais calmo, o que acontece de abril a outubro. De novembro a março essa parte da ilha apresenta o mar bem revolto, propício a prática do surf.
      Então, conjugando o fator “clima” com o fator “condições do mar” das praias mais bonitas - se o seu objetivo não for surfar - os melhores meses para conhecer Noronha são setembro e outubro, ocasião em que o clima estará seco e as praias mais bonitas da ilha estarão uma calmaria só e você poderá, com auxilio de uma máscara, snorkel e colete (caso não saiba nadar)  ver peixes de todos os tipos e cores a apenas 10 metros da areia.

 4) Como chegar

        Considerando sua condição insular, só se pode chegar a Noronha de navio ou de avião.
       Conhecer Noronha a bordo de um cruzeiro acho que é o mesmo que não conhecer. Os cruzeiros oferecem, no máximo, 2 dias na ilha, o que não dão para nada.
        Pelo ar se chega pela Gol ou pela Trip. A Gol pousa com seus boeings diretamente na pista do aeroporto de Noronha, que apesar de mais parecer uma rodoviária, possui a pista maior do que o do Santos Dumont-RJ. É uma alternativa para quem tem certo pavor de voar em aviões pequenos como os da Trip, que pousa com os jatinhos da Embraer ou com os turbohélices ATR.


                              Embraer - Trip
       A Trip mantém codeshare com a TAM e é possível bilhetar para Noronha (ida e volta), incluídos os trechos realizados com a TRIP, com resgate de apenas 20 mil pontos. Caso feche com a TAM, você pode optar em partir de Recife ou Natal, (1 hora de vôo) com possibilidade de uma “stopover” numa dessa cidades, na ida ou na volta (permanência em Natal ou Recife, por alguns dias, antes de partir para o destino final, sem cobrança extra). Note que as atendentes da TAM muitas vezes não sabem dessa possibilidade, cabendo a você insistir, ainda que elas digam que serão cobrados pontos extras. Peça a simulação. O resgate de pontos pela TAM só é possível através da Central Telefônica, tendo em vista o “codeshare”.
                              Partida de Recife

    Muitos perguntam qual o melhor lado do avião para poder apreciar a vista de Noronha pelo alto, na chegada. Não se preocupe com isso porque a maioria dos pilotos não está nem aí pra você e aterrisam de primeira, sem dar nenhuma voltinha na ilha.


5) O que levar

a) protetor solar - O sol na ilha é literalmente de rachar qualquer pele, ainda mais quando associado ao mar salgado. Não esqueça de repor sempre que puder, uma vez que permacerá muito tempo na água.
b) repelente - ao entardecer a mosquitada ataca.
c) tênis para algumas caminhadas. Chinelos.     
d) bermudas para homens e roupa leves para as mulheres. Nem pense em calça jeans ou sapato mais social.Muita roupa de banho.
e) um casaco porque à noite pode bater uma brisa
f) Câmera digital e aquática. Para essa há duas opções se você não a possuir: ou compra a descartável da Kodak ou a aluga na ilha (diária de R$ 50,00 com CD, na praia do Sueste).
g) dinheiro ou cartão do banco. Apesar de só haver um agência do Santander, o caixa automático está integrado no Banco 24 horas.Os passeios não costumam aceitar cartão.
h) transformador se quiser levar algum aparelho elétrico, porque a voltagem na ilha é de 220V.
i) algum remédio especial porque lá você certamente não encontrará.


6) Taxa de Preservação Ambiental e a chegada

       Para permanecer na ilha, você desembolsará para o Governo de Pernambuco o valor de, aproximadamente, R$ 40,40 por dia (ano de 2011), a título de taxa de preservação ambiental.Esse valor pode ser pago através dos site http://www.noronha.pe.gov.br/. Você preencherá um formulário-cadastro completo com seus dados pessoais e da viagem (nome da pousada, tempo de permanência etc.) Será gerada a taxa, em um boleto, bem como a guia de identificação e a guia de controle migratório, que também deverão ser apresentados no aeroporto e na pousada. Um canhoto do controle migratório deverá ser devolvido na sua saída da ilha. Atenção: Imprima todos eles de uma só vez!! Caso contrário deverá reiniciar todo o processo de cadastro.
       O cálculo dos dias para pagamento da taxa é feito pelo sistema, que exclui o dia da chegada.
       Pague o boleto pelo menos 3 dias antes da chegada à ilha, a fim de se permitir a baixa do documento no sistema bancário antes da sua chegada. Ao desembarcar, entre na fila “TPA’s pagas pela internet”.
       Se preferir, a taxa também pode ser paga no momento de chegada, no próprio aeroporto. A vantagem é que se poderá paga-lá com cartão de crédito. A enorme desvantagem é que a fila para quem não a pagou previamente é beeeeem maior.
      Algumas pousadas oferecem serviço de traslado; portanto não esqueça de consulta-las antes da chegada. Caso não seja oferecido esse serviço, o táxi para a pousada dependera da localização dessa. Mas nada que ultrapasse R$ 20,00.
       A ilha possui internet e algumas operadoras de celular mantêm antenas. Nextel não possui abrangência.
       

13/10/2011

Buenos Aires - parte 7

7) COMPRAS, SORVETES E CAFÉS.


      Dependendo da cotação do real frente ao peso, o que nos últimos anos sempre foi vantajosa, ir a Buenos Aires também significa gastar um pouco comprando roupas, acessórios e artigos para casa.
      O lugar mais agradável para se comprar é nas ruas de Palermo, notadamente a região conhecida como Palermo Soho. As lojas, no entanto, são mais alternativas. Mas na Rua  Gurruchaga, esquina com El Salvador, você póderá encontrar a loja da italiana Diesel (que não possui mais lojas no Brasil). 
      Na Rua Honduras, diversas lojas também integram o comércio local. Lá está uma das lojas da famosa marca portenha chamada "Etiqueta Negra". A loja é voltada para o publico masculino. Seus preços não são nada em conta. Mas a qualidade e o design das peças é bastante atrativos.Também na Honduras você encontrará diversas lojas de decoração/artigos para casa, com destaque para a Infinitas Sensaciones (n 4659) e Tienda Palacio (n 5272).
     Lembre-se do quadrilátero  formado pelas ruas Nicarágua, Malabia, Gorriti e Uriarte e explore tudo.

     Numa região conhecida como Villa Crespo (proximidades da Aguirre com Gurruchaga), localizada a uma distancia relativamente perto de Palermo Soho (8 quadras da Plaza Cortazar), estão algumas lojas de outlets de marcas conhecidas. A Lacoste, por exemplo, mantém uma grande loja com muita variedade de polos e camisas. O preço, no entanto, é pouca coisa menor do que nas lojas da cidade.Talvez compense pela variedade, não pelo preço.Mas tem outras lojas também:


ENDEREÇOS DOS OUTLETS
(por Mariana Pereira do (www.myvillacrespo.com)
lacoste

ROUPA FEMININA
AKIABARA Gurruchaga 772
AGARRATE CATALINA Aguirre 606
AWASSI Gurruchaga 874
BRAND POINT (CALVIN KLEIN) Aguirre 875
CACHAREL Aguirre 865
CARDON Gurruchaga 888
CARO CUORE Aguirre 824
CHOCOLATE Córdoba 4856
COMPLOT Aguirre 730
CLARA IBARGUREN Aguirre 967
DESIDERATA Esquina de Aguirre y Gurruchaga
INNOCENZA Aguirre 974
KIU Aguirre 799
LEVI´S Avenida Córdoba 4654
PAULA CAHEN D´ANVERS Aguirre 875
PORTSAID Aguirre 842
RAPSODIA Aguirre 729
TOMMY HILFIGER Murillo 765
VITAMINA Aguirre 864
WANAMA Aguirre 843
WRANGLER Gurruchaga 783
ROUPA MASCULINA
AIRBORN Aguirre 795
BENSIMON Guruchaga 817
BOLIVIA Acevedo 638
BOWEN Aguirre 904
BROOKSFIELD Aguirre 966
CHRISTIAN LACROIX E YVES SAINT LAURENT Gurruchaga 787
ETIQUETA NEGRA / GOLA Gurruchaga 770
LACOSTE Aguirre 875
LA MARTINA Aguirre 957
LEVI´S Avenida Córdoba 4654
NEW MAN Aguirre 815
OLD BRIDGE Gurruchaga 783
INFANTIL & TEENS
CHEEKY Aguirre 827
GRISINO Gurruchaga 790
SWEET Aguirre 820
47 STREET Aguirre 870
MUAA Aguirre 874
ROUPA ESPORTIVA E UNISSEX
ADIDAS Avenida Córdoba 4590
PUMA Gurruchaga 806
THE NORTH FACE Aguirre 755
MORMAII Aguirre 749
DANIEL HECHTER Aguirre 698
HANG LOOSE Aguirre 672
SAPATOS, BOLSAS, ACESSÓRIOS
ADIDAS Avenida Córdoba 4590
BLAQUÉ Gurruchaga 855
CLONA SHOES Gurruchaga 890
CONVERSE (ALL STAR)
LUCERNA Gurruchaga 821
MARY&JOE Gurruchaga 785
NINA PIU Aguirre 782
PARUOLO Loyola 628
PEPE CANTERO Gurruchaga 721
PUMA Gurruchaga 806
PRUNE Gurruchuga 861
TIMBERLAND / HUSH PUPPIES Aguirre 840
VIAMO Aguirre 794
VIA UNO Aguirre 728
OUTROS
ARREDO (CAMA, MESA E BANHO) Gurruchaga 774
PERFUMARIA LAS MARGARITAS (LINHA PROFISSIONAL DE SHAMPOOS) Aguirre 736
SWATCH (RELÓGIOS) Gurruchaga 888
RAY BAN (ÓCULOS) Gurruchaga 884
*** BROOKSFIELD OUTLET PREMIUM – AVENIDA SANTA FE 1633, RECOLETA    
A Rua Florida é também um grande ponto de comercio local, com lojas de rua das mais variadas possiveis. Destaque para a loja de casa Falabella (tem outra só de roupas na mesma rua). Você encontrará também lojas de artigos esportivos e muitos lojas de roupa de frio (couro, lã). Na Galerias Pacifico, algumas grifes internacionais também ocupam seus espaços, mas nada a preço de banana.

Além desses dois points de comercio local, a cidade possui diversos shopping centers, como o Patio Bullrich, Alto Palermo e Paseo Alcorta

SORVETES

Se sobrar um espacinho após o almoço ou jantar, não deixe de provar um dos imperdiveis sorvetes das inúmeras sorveterias da cidade. Apesar da mais famosa ser a Freddo, com varias lojas espalhadas pela cidade, há outras mais desconhecidas pelos turistas mas bem famosas entre os portenhos. Na duvida do sabor, vá sempre de doce de leite, que não tem erro. 


Dulce de Leche Tentación

 Além da Freddo, destaque ainda para a Persicco (Salguero com Cabello- Palermo e mais 3 filiais), Una Altra Volta (ao lado da livraria  Ateneo e + outras), Chungo, Saverio e Due (Av. de Mayo, 347).


CAFÉS 

1)  Café Tortoni - Centro - próximo à Plaza de Mayo (casa Rosada)

3) Las Violetas

4) La Biela  -em frente ao cemitério da Recoleta

5) Marks Deli Paermo Soho



   
LOJAS HAVANNA 

Em diversos endereços da cidade. Além dos famosos alfajores, não deixe de experimentar os incríveis Havannets, uma espécie de Nhá Benta recheada com doce de leite. Se preferir o doce de leite puro, a loja também o vende num pote de vidro. Não deixe para comprar no free shop porque os preços são maiores.